segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Freezing #01 - Sangue e ecchi (!!)


Tédio com um T, beeeeeem grande pra você. E ele me pegou hoje, sim minna, em plena segunda feira, isso é que dá acordar cedo (9:00 pra mim é cedo). Então vou ver se espanto o fantasma do tédio fazendo algo que gosto muito: escrever. E vou comentar sobre o anime Freezing. Se você gosta de sangue, violência e mulheres lindas lutando entre si, ta esperando o que pra acompanhar esse anime? Baah....


O anime é uma daptação de um manhwa (podemos dizer que, são mangás coreanos, são bem interessantes viu), com o roteiro de Dall-Young Lim e ilustrado por Kim kwang Hyun. O manhwa já tem 7 edições acumuladas e o gênero é drama, ecchi e romance, recheado de ação.É publicado em uma antologia japonesa, especializada em ryona, a Comic Valkyrie. A trama é situada em um mundo futurista. Alienígenas (são todas mulheres @.@) de outra dimensão que são chamadas de Nova, entraram em guerra contra a humanidade. E para combater essa ameaça, uma Academia especial chamada "Genética", treina mulheres guerreiras chamadas "Pandora", que são dotadas de técnicas especiais e são geneticamente modificas . O anime segue sob a perspectiva de kazuya Aoi, que após perder suas irmã, que era uma notável "Pandora", resolve se matricular na academia. Um fato importante é que essas garotas deminadas de Pandoras e que lutam contra as alienígenas de nome Nova's, precisam de uma parceiro masculino, é aquele mesmo clichê de sempre do garoto nada especial, que se torna o companheiro inseparável da garota mais fodona do anime. E essa garota é Bridgette L. Satellizer, que é conhecida pelo apelido "a Rainha intocavel", pelo fato de ninguém, até então, ter conseguido toca-la em uma batalha corpo á corpo.


Como deu pra notar, originalidade não é forte nessa série, e pra quem já viu Ga-Re-Zero, HOTD, Claymore, TOKKO, Queens Blade outros mais, vai ter uma sensação de deja vú. Mas até ai tudo bem, pois o interessante mesmo é como desenvolvem o enrredo. No manhwa, a história demora um pouco pra mostrar seu real potencial, que é quando a história vai ficando realmente interessante nos volumes seguintes. O primeiro episódio desse anime não se mostrou tão instigante e pode deixar péssimas impressões. Particularmente eu achei interessante pelas partes de luta e foi nisso que o episódio se centrou, deixando os diálogos mais  em segundo plano. Apesar da familiaridade com esses animes em que o unico interesse é mostrar garotas em situações ecchi, nota se na narrativa um tom mais sério, mesmo a versão animada tendo utilizado bastante do ecchi. As situações em que se tenta fazer comédia e parecer engraçado, estão ali como todo anime ecchi, assim como constrangimentos alheios e o já previsível envolvimento emocional entre os protagonistas.


O anime passa no canal AT-X, então já podem esperar seios á mostra e sangue, que já é uma tradição do canal, que é conhecido por exibir animes sem censura (ou com a minima possível). Eu espero que o anime não se limite apenas ao fanservice exagerado, em detrimento da história, se souberem trabalhar bem o ecchi, drama e as cenas de ação que a série possui, pode até que seja um dos melhores da temporada, potencial o  manhwa ja mostrou que possui. E se fizerem uma adaptação fiel, podem esperar por muito ação, violência e em menor grau o drama. A qualidade técnica é muito boa e  o que realmente me chamou a atenção e que adorei, foi a trilha sonora, promete ser um show á parte. Quanto ao anime em sí, pelo primeiro episídio a impressão que tenho é que dificilmente vão conseguir desenvolver bem a história e pode ser que a trama seja bem superficial. O stúdio responsavel é o Media Facoty, mesmo de animes como Genshiken e Kimi ga Nozomu Eien e o diretor é Takashi Watanabe, um ótimo nome, diga se de passagem.


A série faz parte também de um novo gênero violento, o Ryona, que expressa cenas onde as mulheres são envolvidas em cenas de violência e são violentadas sensualmente (@.@ MEEDO), ou quando apanham feio em um combate e suas roupas se rasgam. É o caso de animes como Ikkitousen e Queen's Blade. No mais, é aquele anime pra se ver nos períodos de tédio, á tardinha e largada (o) na cadeira. Bye.

P.s.: Tem uma personagem que é a clone da doutora Shuzuka de HOTD (@_@)



4 comentários :

ALONE disse...

Lembra de Mai-Hime? É a mesma coisa, só que com mais sangue. Eu adorei esse anime e vou continuar assistindo pra ver no que dá. Eu critiquei muito esse temporada mas até que ela esta se mostrando bem interessante, Dragon Crises tambem foi um anime que gostei muito. Belzeebu é hilário, por enquanto ao meu ver, as unicas baixas é Rio Rainbow e Onii-chan, aquele animes dos personagens palitos sabe? Achei muito muito tosco. Risos.

Ay disse...

olha ai mais um generico, vamos que vamos

Jhon Almeida disse...

Esse não me empolgou muito como estréia, mas acho que tem uma trama ótima pra se desenvolver alí.
Embora eu não conheça a obra original, pelo que as pessoas que conhecem estão adiantando, se for pelo menos fiel na essência teremos momentos tensos, muita violência e ecchi apenas como complemento (será? no anime sempre acrescentam mais né H.O.T.D..), então parece que a trama desse anime promete mesmo.

Anônimo disse...

o anime eh uma mkerda mas o manga eh otimo, historia e lutas mto locas

Postar um comentário

Os comentários deste blog são moderados, então pode demorar alguns minutos até serem aprovados. Deixe seu comentário, ele é um importante feedback.