sexta-feira, 29 de abril de 2011

Gantz: Live Action #01 - Perca duas horas de sua vida assistindo!

Olha, eu tenho uma grande desconfiança com relação à adaptação de séries animadas e mangás para a plataforma live action, por que atores japoneses não são conhecidos por terem um grande talento de interpretação e desenvoltura (há os ruins, os esforçados e poucos que realmente são bons). E quando se trata de uma adaptação de uma série de ação que pede muitos efeitos especiais, ai é que a coisa complica mesmo. Mas fui e dei uma conferida, já que Gantz gerou tanta expectativa ao redor do mundo (claro que estou me referindo ao mundinho nerd e otaku), tanto por ser um titulo de peso, quanto por ter sido vendido como uma super produção e foi o primeiro grande filme japonês produzido em 3D. O filme teve um investimento altíssimo, com um orçamento de 45 milhões , olha só que beleza, que beleeeeza e ainda por cima "pipocou" por ai que o filme seguiria a risca elementos que consagraram a obra original, não conferir seria um heresia.

Yuji Kimura conduziu muito mal as cenas de ação e Shinsuke Sato ficou olhando e não fez nada
O plot da história todo mundo já conhece, Kei Kurono está numa estação de metro, quando reconhece seu melhor amigo da infância logo a frente; Masaru Katou. Então acontece algo inesperado, um mendigo - ou morador de rua - cai na linha e Katou pula para salva-lo. Contrariando toda sua lógica racional, Kurono pula para ajudar o velho conhecido mas eis que são surpreendidos pela vinda do metro e acabam sendo divididos em vários pedaços. Mas algo estranho acontece após este evento, os dois que deveriam estar mortos, aparecem em uma estranha sala com uma "bolotona" preta enorme no meio e varias pessoas em volta dela. No interior da esfera negra, há um homem aparentemente adormecido, este é Gantz, um alienígena sádico que resgata pessoas que acabaram de perder suas vidas, para um “divertido” jogo de sobrevivência que se consiste em caçar e eliminar alienígenas amoitados escondidos em meio a sociedade. Os “escolhidos” por Gantz devem sobreviver a sangrenta caçada e ainda matar vários alienígenas e assim somar pontos para escapar desse purgatório. Para isso eles recebem equipamentos modernos, como trajes especiais e armas descoladas que parecem de brinquedo.

Crítica


O live action de Gantz se esforça bastante pra fazer uma adaptação coesa, sendo fiel ao original, mas com um olhar próprio dos acontecimentos, fornecendo o gore que os fãs da obra estão acostumados - e gostam – mas podando a parte pornográfica. Creio que pra tentar gerar uma certa empatia ao público comum e abocanhar o publico infanto-juvenil às salas de cinema, mas acaba se tornando um filme sofrível do início ao fim, caricato e forçado ao extremo.

Interpretar a Kishimoto é fácil, neeeah #sad
Para viver o protagonista anti-herói e pervertido nas horas vagas, o ator escolhido foi Kazunari Kinomiya da Boyband Arashi (ele deve continuar cantando...). Que me desculpem os fãs, mas sinceramente boa coisa não poderia ter saído, MESMO. Como ator ele é medíocre e não soube aproveitar nem um décimo do potencial que o personagem proporciona. Sua atuação é tão caricata, cheia de caras e bocas que da a impressão que um ator mirim de 15 anos poderia fazer melhor. O bonzinho e autêntico mocinho da história, Masaru Katou, é vivido por Matsuyama Ken'ichi (dos populares live actions: Death Note, Detroit Metal City e Nana) que faz uma interpretação muito abaixo do esperado. Tá certo que o personagem também é bem limitado, mas o ator parecia uma múmia no filme, entrou mudo e saiu calado. A cobiçada –  e gostosona em período integral –  Kei Kishimoto ficou com a atriz Watanabe Natsuna que tem um currículo fraquinho e é tida como promessa lá pelo inicio dos anos 2000 pela Oricon, mas que até hoje nada, continua sendo promessa. Assim sendo, Kishimoto continua sem uma boa adaptação fora do mangá.

Nunca imaginaria isso de você Katou... 
Gantz acaba sendo um festival de vergonha alheia. A narrativa intensa e ágil passada por Hiroya Oku se perdeu completamente na adaptação, seja por incapacidade dos atores ou por culpa também do roteiro e do diretor Shinsuke Sato, que não soube exportar isso para a tela grande. Muito se critica por aí que na obra original, Hiroya produz poucos diálogos, sendo sempre uma correria e pouco desenvolvimento, mas não concordo com isso, tendo em vista que esse não é o ponto central da obra e Hiroya consegue ser incrivelmente habilidoso ao conseguir transmitir a emoção certa sem precisar se focar nisso. Já no live action, eles tentam aprofundar mais os personagens, dando lhes uma carga extra de drama... Que não consegue convencer nem um pouco, tornando as partes onde isso é desenvolvido, maçantes ao extremo.
Com exceção de uma cena ou outra, os efeitos especiais não são lá grandes coisas, não. No embate envolvendo o alienígena Tanaka Seijin, a única maneira de se aproveitar tudo aquilo é não levando nada a sério. O personagem é caracterizado como um androide alienígena, que em seu anterior, abriga um pinto, com o exterior mecânico. Ficou legal, e percebe se aí uma grande economia para as cenas envolvendo as estatuas de Buda. Cenas essas que ficaram incrivelmente bacanas. Depois de mais da metade do filme assistida, eu já não esperava mais nada e acabei me surpreendendo. É realmente uma pena que a atuação dos atores não correspondeu à altura. Os trajes de batalha ficaram excelentes e as armas seguiram a risca o original, não deixando nada a desejar.

Resumindo


Esse filme é uma desgraça, falar que é ruim é puro elogio. Ainda é assistível, principalmente para quem lê o mangá ou assistiu o anime. Não abordei muito o enredo porque... néh? O filme se resume com os personagens perseguindo alienígenas e fora isso, uma tentativa falha de desenvolvimento de algo mais profundo nos personagens, que tiveram muita de suas origens modificadas. Outros pontos que poderia destacar aqui é a de que Gantz está muito bonzinho (logo ele que costuma ser bem sádico e troll ao extremo), meteram a velha chata com a criança irritante, aquilo foi um porre desnecessário, já que ambos não deram impacto algum na trama e muita gente chorou pela ausência do cachorro, mas será que só eu reparei que o personagem Suzuki é quem faz o papel dele? Bem, Gantz estreou em 350 salas nos EUA e fez um barulho danado e a segunda parte já está a caminho ainda este ano. Ouvi críticas positivas, mas simplesmente não acredito que se possa fazer vistas grossas pra todas as falhas que o filme apresenta somente por ser Gantz. A violência foi bastante atenuada, mas está lá, quanto a isso não há muito que se reclamar. 

Suzuki atuando bem como o "cachorro", e não irei fazer outras referências aqui ^_^


Diretor: Shinsuke Sato
Criação original: Hiroya Oku
Produção: NTV, Shueisha, TOHO
Ano: 2011
Duração: 130 minutos
Kazunari Ninomiya: Kei Kurono
Ken'ichi Matsuyama: Masaru Kato
Natsuna: Kei Kishimoto
Yuriko Yoshitaka: Tae Kojima
Ayumi Ito: Eriko Ayukawa
Kanata Hongou: Joichiro Nishi
Kensuke Chisaka: Ayumu Kato
Shunya Shirai: Hiroto Sakurai
Tomoro Taguchi: Yoshikazu Suzuki

8 comentários :

julio pq disse...

Eu até que achei legalzinho, mas realmente tem muita coisa tosca ali kkkkkkkkkkk
E bem observado, aquele ator ali parece mesmo fazer o cachorro. O Gantz fala com ele exatamente como fala com o cachorro no mangá e ele tem umas atitudes típicas também. Os budas ficaram muito show de bola e como você comentou, as partes de ação do filme é o que salva tudo, são muito boas. Pelo menos eu gostei. A tragédia maior foi chamar lider de bandinha pop pra atuar.

Borbs disse...

Eu gostei do fikme .-.
dublagem americana ta sofrivel demais, ninguém ainda tem a versão original não?

Luk disse...

Eu vi essa pérola esses dias. Eu não sou muito fã de filmes live action, a atuação dos japoneses me incomoda muito, mas o problema desse realmente foi a adaptação.
As missões ficaram ruins, os personagens não ficaram bons (Pra que colocar o velho? -.- ), pra mim o único ponto positivo seria para os aliens que não ficaram tão ruins.
Bom ta ai um filme que eu nunca mais quero ver e pelo amor de Deus, ensinem os americanos a dublar.

Camila disse...

ODEIEI ESSE "LOVE ACTION" SIM LOVE ACTION TEM QUE TER MUITO AMOR AO MANGÁ PRA ASSISTIR ISSO AI

Tiago Wakabayashi disse...

love action kkkkkkkk
fiquei com medo de ver agora

deiwid disse...

Melhor Live Action de todos.

E é bom, sim. Uma grande evolução para filmes japoneses.

Unknown disse...

Muito bom. Vale muito apena ver,o povo critica pois estão acostumados a verem filme com muita gente famosa e tals... história perfeita,efeitos ótimos,e n é perda de tempo ver n.









Por final. Odiei essas Críticas e a pessoa q falou tudo isso deve ser UMA PESSOA Q SO LIGA PRA EFEITOS E ATORES FAMOSOS E ATUAÇÕES EXELENTES. Nem todo mundo é bom nisso.

Raul Nogueira disse...

Muito bom. Vale muito apena ver,o povo critica pois estão acostumados a verem filme com muita gente famosa e tals... história perfeita,efeitos ótimos,e n é perda de tempo ver n.









Por final. Odiei essas Críticas e a pessoa q falou tudo isso deve ser UMA PESSOA Q SO LIGA PRA EFEITOS E ATORES FAMOSOS E ATUAÇÕES EXELENTES. Nem todo mundo é bom nisso.

Postar um comentário

Os comentários deste blog são moderados, então pode demorar alguns minutos até serem aprovados. Deixe seu comentário, ele é um importante feedback.