domingo, 1 de maio de 2011

Kanojo to Kanojo no Neko: Ela & seu gato

           
Legendado em Português

Falar sobre um sentimento como o amor é algo bem complexo, mas há verdadeiros poetas que conseguem traduzir o inexplicável em palavras e imagens. Felizmente, algumas pessoas nascem com esse dom, seja na música, cinema, livros ou quadrinhos. A pessoa a quem vou felicitar nesse texto é um diretor de cinema, mas especificadamente de animação. Este é o diretor Makoto Shinkai (responsavél por verdadeiras obras primas como Voices of a Distant Star ( Hoshi No Koe) e 5 Centimeters Per Second ( Byousoku 5cm) - se você por um acaso ainda não viu nem desses filmes, é melhor dar uma conferida -), verdadeiro mestre do cinema animado japonês e que é reverenciado pela incrível fotografia que implanta em seus filmes, tornando-os incrivelmente poéticos e comoventes, as imagens são um show completamente a parte e que casa perfeitamente o visual ao roteiro. Mas como eu sou uma garota que da muito mais valor ao sentimento que o autor quer passar do que qualquer outro aspecto técnico, o que mais me impressiona nele é que nenhuma mensagem é explicita, podendo assim ganhar vários significados para cada um que assiste. E poucos sabem transmitir sentimentos tão completos através de imagens, como o Shinkai faz, estas que são repletas de detalhes e suavidade, mas não é propriamente do Shinkai que pretendia comentar (para isso podem dar uma lida no ótimo artigo feito pelo Leandro Inisishima no Subete Animes).


E foi nesse artigo, com as palavras que ele descreveu um brilhante curta de animação produzido por Shinkai, que eu senti vontade de assistir e fiquei completamente encantada. Este que pode ser considerado o primeiro filme do diretor, foi um curta produzido em 1999, intitulado Kanojo to Kanojo no Neko (Ela e seu Gato). Nesse pequena curta metragem (que pode ser vista no vídeo acima) de apenas 5 minutos, o próprio Makoto Narra a vida de uma mulher, sob a perspectiva do gato dela. O nome deste gato é Chobi, e ele é adotado pela mulher, que morava sozinha em uma casa e aparentemente mantinha um relacionamento com alguém. Chobi passa a observar sua dona e seu cotidiano e acaba por se apaixonar por ela, fato que fica explicito em alguns trechos narrados por Makoto Shinkai, como; "Ela é gentil como mamãe, linda como amante". Chobi arruma uma namorada, a gata Mimi, mas no seu ponto de vista, sua pessoal ideal continua sendo sua dona. Para ele, Mimi não passa de uma "menininha" que ainda precisa "crescer" e entender certos sentimentos que só pessoas "adultas" são capazes de compreender. Mas Mimi não entende, afinal de contas, como pode um gato se apaixonar por sua dona? Nesse ponto fica evidente toda ingenuidade de nosso protagonista. Mas seus sentimentos são puros, exatamente por ser um simples gato e não poder ser tocado pela mancha negra que costuma devastar os sentimentos humanos. Em um outro momento, vemos a dona de Chobi entrar em desespero logo após falar ao telefone. Percebemos que a pessoa do outro lado era seu namorado ou alguém bem intimo. Logo após desligar o telefone ela toma aquelas atitudes típicas que, só alguém que já discutiu ou terminou o relacionamento por telefone entende como é. Chobi continua observando e admirando sua dona, sem entender ao certo o que esta acontecendo.

Com este pequeno curta metragem, fica evidente que não importa quantos minutos tenha uma série, é possível contar uma excelente história em pouquissimos minutos. Mas isso são poucos que consegue. Ver todo o conflito que acontece com a garota e que a deixa deprimida, mas através de Chobi é uma experiência incrível. Chobi não entende nada do que esta acontecendo, mas sabe que algo esta errado. Assistindo ao cotidiano de Chobi e sua dona, podemos ver dois pontos extremos dos relacionamentos e que divergem entre si. Enquanto, da perspectiva de sua dona, vemos um conflito pessoal, onde inevitavelmente todo relacionamento entre humanos irá presenciar em algum momento. Do outro, podemos ver esse mesmo sentimento da forma mais pura possível, sem cobranças, ressentimentos, mágoas e sem esperar receber nada em troca. Apenas dois seres opostos, que resolveram fazer companhia um para o outro em meio a solidão. Como li em algumas reviews e concordo plenamente, talvez seja que a principal mensagem, de que a vida continua, o tempo não para independemente do que esteja acontecendo com você. A dor que você esta sentindo agora, somente o tempo poderá aplaca-la e enquanto isso o mundo continua a girar. Mas não é legal que você deixe de viver por causa desse sentimento. Essa mensagem, também é possivel perceber nas outras obras de Makoto Shinakai e acredito que em Voices of a Distant Star ( Hoshi No Koe) e 5 Centimeters Per Second ( Byousoku 5cm) é onde isso fica mais claro, mostrando a conseqüência de quem se nega a olhar pra frente, preferindo ficar preso a um sentimento.

Como brilhantemente mencionado pelo Everton Campos, Kanojo to Kanojo no Neko é uma verdadeira poesia audiovisual e a dublagem ter sido feito pelo próprio Shinkai foi só mais um dos pontos positivos dessa obra. Alias, ele produziu sozinho esse curta metragem, fazendo com que ela tenha muito mais do que sua direção, mas também seus sentimentos de uma forma bem mais completa. Ele foi capaz de fazer uma obra de poucos recursos, mas muito rica em detalhes, utilizando da melhor forma possível o recurso de movimento sobre imagem estática. O resultado final é algo que chega próximo a uma obra teatral. Ter sido feito em preto e branco, também foi um recurso que casou muito bem com a história que foi contada, mais uma união perfeita de efeitos visuais e história, deixando aquele clima de melancolia no ar, transmitida tanto pela fotografia quanto pelo enredo. Kanojo to Kanojo no Neko é uma obra que está aberta a todos, mas sabe se lá se todos a acharão interessante, pois ela tem uma profundidade maior do que possa aparentar. Não costumo comentar obras que tem uma poesia tão agridoce e romântica aqui, mas quando faço é porque realmente vale a pena, como foi aqui com o excelente Kowarekake no Orgel, que por um acaso também foi parido com poucos recursos e de forma quase amadora.

Diretor: Makoto Shinkai
País: Japão
Tipo: Curta Metragem
Episódios: 1
Duração: 5 min
Gênero: Drama / Romance
Ano: 2000

9 comentários :

Pedro S. Ekman disse...

Nossa, que bacana, Makoto Shinkai aqui no blog =D
Foda pra caraleo (gomen)
Futuramente pretendo escrever sobre :)
Li a reportagem do Anime Subete há muito tempo... mas é técnica demais, pretendo me focar mais nas obras em si.

Boa, Beta-chan!!

Roberta Caroline disse...

Sim, faça isso Pedro-kun, esperarei ansiosa. Tomei vergonha na cara e fiz uma revisão do texto, corrigindo os erros de escritos, desculpe a todos que já leram. >__<

vicky bozoka disse...

Eu cheguei a fazer uma monografia sobre o Makoto Shinkai. Admiro tanto ele que o coloco ao lado do deus Miyazaki. Tecnicamente eles são sublimes. Sobre a matéria no Subete, bons tempos da revista Neo Tokyo, quando ainda se preocupava com conteúdo relevante, mesmo com algumas maçãs podres no meio. Hoje só tem mesmo maçãs podres :P

julio pq disse...

bonitinho, gostei :) É um vídeo muito bem trabalhado e conseguiu em poucos minutos contar uma história de amor. Desse diretor, eu só assisti Byousoku 5CM e gostei muito do que vi, to pensando em dar uma olhada em outros filmes dessa fera ai. Saiu um mangá recentemente baseado num dos filmes dele, não foi?

Natália Fontanna disse...

Gostei, valeu pela dica e graças as você conheci esse outro blog, gostei muito dele. Sera que um dia conseguiria fazer algo perto do que esse diretor fez? Sou apaixonada por cinema.

Will disse...

Oi, esse é uma obra do inicio da carreira de Makoto Shinkai e que revela muitas de suas facetas que ele viria a desenvolver futuramente em sua carreira. Boa iniciativa, otakus precisam se alimentar de boas obras também. Mas eu dúvido que muito do público daqui se interesse por essa ou qualquer outroa obra dele.

Luiz Brisa disse...

um selo espera por voce
pegue e deixe um comentario
xD

http://vagalnerdkawai.blogspot.com/2011/05/selo-xd.html

Will disse...

Oi, esse é uma obra do inicio da carreira de Makoto Shinkai e que revela muitas de suas facetas que ele viria a desenvolver futuramente em sua carreira. Boa iniciativa, otakus precisam se alimentar de boas obras também. Mas eu dúvido que muito do público daqui se interesse por essa ou qualquer outroa obra dele.

vicky bozoka disse...

Eu cheguei a fazer uma monografia sobre o Makoto Shinkai. Admiro tanto ele que o coloco ao lado do deus Miyazaki. Tecnicamente eles são sublimes. Sobre a matéria no Subete, bons tempos da revista Neo Tokyo, quando ainda se preocupava com conteúdo relevante, mesmo com algumas maçãs podres no meio. Hoje só tem mesmo maçãs podres :P

Postar um comentário

Os comentários deste blog são moderados, então pode demorar alguns minutos até serem aprovados. Deixe seu comentário, ele é um importante feedback.