sexta-feira, 29 de julho de 2011

Shiki especial: Corpse Demon, a despedida do terror



Especiais de animes que terminaram em seus lançamentos em DVD/BD hoje em dia é a coisa mais obvia do mundo. Mas normalmente são apenas para dar um empurrãozinho nas vendas e raramente acrescenta alguma coisa ao plot ou contam alguma história interessante. Shiki é uma das poucas exceções de animes recentes que ganharam especiais (20.05 e 21.05) e souberam se utilizar bem do espaço contido no disquinho. O final apressado e pontas soltas deixadas na série de tv, foi realmente um pena e muitos ficaram frustrados por não poderem obter todas as respostas, mesmo com a obra original, série de Light Novels de Ono Fuyumi (também criadora de Ghost Hunt, que ganhou adaptação em anime há tempos atrás. Fica ai a dica), já estando finalizada. Seria realmente interessante se fosse uma longa série de OVA’s, contemplando todos os eventos que juntos, formam a base principal de Shiki, fecham as pontas soltas e que acabaram ficando de fora. Não foi assim, mas ficou muito bom esses dois especiais que irei comentar. Então, se você não assistiu ao anime, recomendo começar a leitura pela review, aqui (feita pelo Crítico Nippon).



O "Episódio 20.5" e o “Episódio 21.5” são complementares e tem a função de nos mostrar o que aconteceu na cidade de Sotoba e não pôde ser mostrado no vídeo, devido ao tempo. Claro que aconteceram muito mais coisas que só poderiam ser abordados numa longa série de OVA’s, o que nos é mostrado é apenas dois pontos de vistas distintos e interessantes. O primeiro nos trás todo o conflito entre Shikis vs humanos, já no seu ápice e pelo ponto de vista dos despertados. Podemos analisar o primeiro OVA, como uma seqüela direta do episódio 20, por ser passarem no mesmo tempo, com uma parte dos moradores da vila indo atrás dos vampiros que se encontram escondidos. A essa altura do campeonato, o que vemos é praticamente um jogo de sobrevivência, que trás uma mistura ácida de moralidade ambígua na justificativa de ambos para sua auto-preservação e o quão longe ambas as espécies (humanos e vampiros) podem ir para sobreviver.



Shiki trás á tona algo interessante, os humanos que sempre foram vitimas e presas fáceis, se revoltando e lutando em pé de igualdade com os despertos (ou se preferir o seu termo mais cool; Okiagaris), ao ponto de não sabermos ao certo quem é a presa e quem é o predador. Claro que os humanos estavam bem servidos com a versão do Chuck Norris no anime, falo de um dos melhores personagens que já pude ver em animes, o médico Toshio Ozaki e seu ajudante Tomio Ookawa. Fora o fato dos shikis terem se mostrado mais frágeis do que eu imaginava, o que sem dúvida é mais um atrativo pra narrativa, não se tornando um simples conto de “bem VS mal”. Não há aquela manipulação comum em obras que retratam algo trágico. Shiki força o telespectador a decidir por si próprio a escolher de qual lado ficar e qual justificativa é mais plausível.


No episódio 20 do anime, vemos a guerra entre eles, mas ai, já com os humanos com uma enorme vantagem sobre os shikis e a narrativa se foca justamente nesse massacre, sob a perspectiva humana. Se neste episódio mostrado no anime, já fica evidente um certo descontrole humano em lidar com a situação, chegando ao ponto de começar a matar indiscriminadamente. O OVA bota ainda mais sal na ferida, só que dessa vez sob a ótica dos vampiros. Quem protagoniza o 20.5 de Shiki é Nao Yasumori, uma das personagens que aparece logo no inicio e acaba virando alvo da “epidemia”. Ela, juntamente com outros vampiros, se escondem no esgoto da cidade, como citado no episódio 20 no anime. Não chega a ser citado, mas ela teve uma infância terrível, com pais alcoólatras que a negligenciavam. Sua vida muda, quando ela se casa com Mikiyasu e juntos têm um filho chamado Susumu. Depois de morrer, ela retornou como vampiro e começou a matar os membros de sua família, um por um, para que juntassem a ela, como “mortos-vivos”.



Ai começa o drama de Nao, que esperava dar a vida eterna aos seus familiares, mas nenhum deles retornou do mundo pós-vida. No inicio do OVA vemos um pequeno prólogo, dela ainda humana, feliz e cheia de planos, enquanto conversava com Hasegaya e sua esposa. Isso foi importante para dar uma profundidade maior ainda na emocionante seqüência final do OVA, assim como no decorrer ela sendo perturbada por “fantasmas” de sua familha e se agarrando á unhadas para sobreviver. O ambiente desse OVA é meio claustrofóbico e permeado de dilemas morais. No livro A Escolha de Sofia, de William Styron, uma prisioneira polonesa em Auschwitz recebe um “presente” dos nazistas: ela pode escolher, entre o filho e a filha, qual será executado e qual deverá ser poupado. Dilemas morais, como em A Escolha de Sofia, são situações nas quais nenhuma solução é plenamente satisfatória. São encruzilhadas que desafiam todos os conceitos morais, que tentam criar regras para decidir o que é certo e o que é errado.


O segundo OVA, se foca em Motoko Maeda, que para a alegria de todos os seus fanboys, teve enfim, seu merecido destaque em Shiki. Imaginava que ela tivesse sido esquecida de vez na adaptação e muito contente fiquei quando vi o preview deste OVA. Gostei da forma como o recurso foi usado, já que no mangá essa história acontece de forma linear. Se o primeiro nos trouxe as questões de dilemas morais, este retrata de forma intensa o abalo que a guerra entre shikis e humanos provocou na vida dos moradores do vilarejo. É retratada a desconstrução de Motoko, de uma dedicada mãe á uma mulher insana e louca em meio a todo o caos. A psicose de Motoko, me lembra bastante o drama do protagonista do filme Um dia de Fúria, onde um homem desempregado chega ao seu limite durante o congestionamento. Gostei muito do resultado final e sua progressiva loucura, resultante tanto da pressão familiar, quanto do choque ao ver seus filhos, Shihori e o Shigeki, sendo vitimas da “epidemia” e não encontrar nenhuma ajuda. A cena dela (que inclusive foi mostrada no anime) na banheira com seu filho no colo, já em estado de putrefação, visualmente falando é assustadora.



Ao contrário do primeiro OVA, este começa sua narrativa já nos primeiros episódios, com todos ainda não sabendo nada a respeito dos shikis e a estranha epidemia de mortes permanecia um mistério. Basicamente, a história foi toda recontada pelo ponto de vista dela, com o OVA chegando ao seu final, já abordando os últimos instantes do conflito em Sotoba. Foi quase épica vê-la caminhando por cada cena mostrada no anime e cada personagem que sucumbiu na guerra. Motoko já não dizia coisa com coisa e sempre repetindo frases sem sentido, como “hat old bastard... that old bastard”, alcançando um estado doentio de psicose. Achei surtante, dramático e muito bem caracterizado, ela parecia estar possuída por Oyashiro-sama. Mas talvez o principal destaque desse OVA, seja o fato de ter recuperado uma das pontas soltas do anime, que foi toda a floresta ter começado a pegar fogo e não sabermos como tudo começou. O OVA resolve isso e de forma competente e por assim dizer, trágica.



Também abordam sobre os moradores estarem abrigando familiares despertados dentro casa. Vemos isso através de Yano Kanami, que abriga sua mãe e se exclui socialmente, vivendo presa com ela dentro de casa e a alimentando com seu sangue. Foi bacana poder ver tudo se juntando, desde o momento em que as moradoras batem na porta dela no episódio 21 do anime, e no OVA vermos que o motivo dela não atender e estar reclusa, foi o retorno de sua mãe do mundo dos mortos. Bem melancólico e bem destacado esse outro lado humano, mais apegado e mais sentimental. Como disse, é realmente é uma pena ser só 2 especiais, tendo em vista a quantidade enorme de personagens que Shiki possui e não tiveram seu destaque, porque simplesmente não daria mesmo.



A arte é incrível e a qualidade técnica, como não poderia deixar de ser, está impecável. Com personagens e seus exóticos cabelos muito bem desenhados e suas emoções são bem emuladas, passando emoção. O cenário está bem detalhado, assim como na versão anime e a trilha sonora continua tão boa quanto, ajudando ainda mais na atmosfera perturbadora e dramática. Pode não ser o que se esperava inicialmente, mas o diretor Hayato Nakata foi muito feliz na abordagem e seu trabalho de direção, ainda que tenha tido algumas falhas no anime tv, foi extremamente contundente nesses OVAs. A obra da diva, Fuyumi Ono, foi muito boa em sua versão animada e esperamos ver mais obras dela adaptada, pois manda muito bem. E assim Shiki acaba, sentiremos saudades, não é!? Afinal, tá faltando mais terror e cor nessa salada.


19 comentários :

Daegar disse...

Eu assisti todo o anime mas n cheguei a ver as OVA's, pretendo assiti-las agora, apesar de que nem vou me lembrar de alguns acontecimentos e terei que re-assistir tudo novamente, Enfim bom texto e recomendo o Anime para os que ainda não viram.

Anônimo disse...

onde encontro as citadas ovas para download??

Anônimo disse...

Adorei ver o ponto de vista do narrador, expõem coisas que apesar de ter visto não ficam tão claras e fiquei bastante curioso a respeito das ovas, gostaria do link para download se possível grato. :D

junior disse...

eu não intendo mas todo mundo gostou de shiki e logo eu que assisto animes praticamente so de horror não gostou,todos falan que ele foi o melhor anime de horro dos ultimos tempos mas esse posto fica com dead space downfall que me prendeu muito mais que shiki

Roberta Caroline disse...

@Anônimo
VocÊ encontra no Umee Fansub (tradução gringa).

@Junior
Shiki é muito bom manolo, mas os terrores que a Fuyumi Ono faz não são pra chocar. A narrativa está muito mais ligada ao suspense e o terror fica mais como apelo visual. A base é sempre o dialogo.

junior disse...

eu sei roberta tamben gosto de terror em dialogos,adoro o filme a profecia que tamben e esse estilo e que sei la shiki a principio eu achei que ia ser uma coisa diferente sei la um alienigena que suga os orgãos,fantasmas que viajan de vila em vila matando todos,mas foi logo vampiros não dismerecendo os sugadores adoro hellsing,blood,kurozuka sem falar dos filmes amo deixa ela entrar,garotos perdidos,um drink no inferno mas em shiki os vampiros ficaran sem conbinar com o estilo do anime,quando ele começou eu achei que estava diante de um anime baseado em um livro de stephen king mas quando descobri que era um anime de vampiros eu meu esntusiasmo acabou(ele e igual HOTD comecei gostando terminei desapontado)

Rei Ayanami disse...

Gostei muito da forma como eles terminaram o mangá, embora o anime tenha deixado a desejar nesse sentido. Vou sentir muita falta de Shiki, atualmente era uma das melhores histórias do gênero. Pensei que não conseguiriam fazer um segundo ova tão bom quanto foi o primeiro mas cai da cadeira, ficou genial. Não gosto do capitulo da Motoko no mangá, mas talvez por fazerem diferente, colocando a história dela por último, eu tenha gostado tanto.

Suzi Lima disse...

Ai, meu Kami-sama!!! Animê de terror? U____U

Roberta Caroline disse...

@Suzi Lima
What?

Sonozaki-chan disse...

Quer dizer que é da mesma pessoa que fez Ghost Hound? Bem que eu tinha percebido algumas semelhanças, achei que era loucura minha. Ghost Houd é bem legal, mas não curti o final, pareceu incompleto.

Quanto a Shiki, simplesmente o melhor anime do ano passado e juntamente com Higurashi, pra mim já são os melhores animes que tem terror. Estou seguindo fielmente seu blog e já faz um tempo, mas de uns tempo pra cá estou gostando mais, continue assim.

Suzi Lima disse...

É que esse animê eu ainda não assisti...Mas, essas imagens são bem chocantes...

Roberta Caroline disse...

@Suzi Lima
Ah sim, Shiki de terror só tem a estética mesmo. Tá mais pra suspense e drama.

Eduardo A. Ribeiro disse...

Legal...
Shiki que eu me lembre dropei no episódio 3... já que meu pc tinha ido pro espaço e não queria voltar de maneira nenhuma...
Enfim, quem sabe eu termine agora...

Ta-chan disse...

Fui atraida para o anime pelo visual completamente bizarro xD Shiki me pegou completamente desprevenida pois assim como o Junior, eu sequer imaginava que se tratava de um anime sobre vampiros e foi uma surpresa positiva. Ele me lembrou bastante Higurashi em alguns momentos, mas fica só nisso.

No final do OVA 2, apareceu "próximo episódio", será que realmente não vai ter mais? Seria tão bom.

Roberta, você já assistiu Corpse Princess/Shikabane Hime? É um terror fodido de bão. Gostaria de ver uma boa review desse anime. É um dos animes de horror que eu mais gosto

Roberta Caroline disse...

@Ta-chan
Já assisti sim, tá nos planos =)
Acabou assim, aquilo era preview pro episódio 22. Mas tem uns extras rolando ai na gringa, sobre pensamentos do Muroi, mas está sem legenda ainda :/

@Sonozaki-chan
Obrigado :)

Pedro S. Ekman disse...

Testando.

animeportifolio disse...

você já conhece minha visão sobre essa série, que sem dúvida é o resgate das boas séries de animes de terror. Ainda não vi os OVA's, mas adorei o texto e pretendo vê-los logo e depois comentarei aqui novamente falando o meu feedback. Se não for demais deixo aqui o link para os interessados que quiserem o ouvir a áudio postagem sobre Shiki que fiz para o Anime Porfolio. http://animeportifolio.wordpress.com/2011/04/01/audio-post-shiki/

Will disse...

muito bom e como vc falou, não é um simples e bobo confronto entre humanos e vampiros ou de bem e mal e isso. E isso é o que mais curto em Shiki, saber trabalhar bem esse lado humano.

O Mundo escuro de Morringhan disse...

Também não assisti aos OVAs, eu costumo assistir poucos OVAs na verdade, já me decepcionei muitas vezes,mas lendo a crítica aí vou dar uma chance e assistí-los sem medo ^_^

Postar um comentário

Os comentários deste blog são moderados, então pode demorar alguns minutos até serem aprovados. Deixe seu comentário, ele é um importante feedback.