quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Mirai Nikki: O diário do Futuro - Stalkers Psicopatas!


Poderia colocar o título deste post de: Corra Yuki, Corra! Ou até mesmo, Yuno, a perseguidora psicótica! Mas deixando isso de lado, Mirai Nikki tem uma premissa interessantíssima, porém eu não imaginava que pudesse ser tão surpreendente assim. Vamos ver.... eu não sentia algo assim ao ler um mangá, desde Honey & Clover. Mirai Nikki me conquistou de uma forma que li o mangá com tanta intensidade, que quando percebi, já estava no último volume. Usando de bastante cliffhangers de suspense e mistério, o autor, Sakae Esuno, consegue prender a atenção do leitor, sendo capaz de deixar até os mais frios na vibe para saber o que vai aconteceria a seguir. Agora imagine uma pessoa como eu, passional e que não fica indiferente com uma história que lhe faça a cabeça: Obviamente ficarei com os nervos a flor da pele. É sem dúvida, um thriller eletrizante, indispensável para quem deseja sentir a adrenalina correndo pelas veias.


Mirai Nikki é mais um daqueles mangás com enfoque no “Jogo de sobrevivência” e certamente um dos mais populares do enorme filão (apesar de que já se tornou clichê citar Battle Royale, que tem muito mais o perfil de uma série do “gênero” – e foi lançado aqui no Brasil). E o sucesso dessa série do inicio ao fim, sem aos menos ter ganhado uma adaptação em anime durante sua serialização (ganhou um OAV com menos de 10 minutos, já na despedida do mangá, em seu decimo primeiro volume – com uma introdução da série), com uma popularidade que já vinha se espalhando de “boca em boca”, não demorando a se tornar conhecido por boa parte do fandom de anime/mangá com acesso a internet. Olhando por cima, Mirai Nikki não parece ser essa Coca-Cola que todos falam, mas basta um capitulo para ficar completamente fascinado e imerso no fantástico e louco mundo criado por Sakae Esuno (e isso valendo inclusive até para aqueles que viriam a se tornar “haters” da série - Explico depois). Pode se criticar como tudo se desenvolve, mas “O Diário do Futuro”, juntamente com Liar Game, possui a melhor premissa dentro todos os mangás com enfoque em jogos de sobrevivência, mas sua execução é o que costuma dividir as opiniões em torno de uma nota final para a série.

Diários do Futuro: Salve se quem puder!

Yukiteru Amano, nosso querido personagem central da trama, é um solitário adolescente de 14 anos, que sofre com problemas de autoestima, não conseguindo – por mais que tente. E ele tenta – interagir com as demais pessoas. Mas tudo bem, ele parece estar conformado em ser excluído dos grupos sociais depois de ter encontrado um hobbie bem interessante: Escrever em um diário eletrônico, mais precisamente, o seu celular. Não demora muito e ele começa a alucinar, criando amigos imaginários, Deus e até sua pequenina serva. Mas... Ei! Não é alucinação do pobre Yuki, Deus realmente apareceu para ele (!) e como se isso já não fosse demais, ainda lhe propõe uma oferta para tornar a vida dele mais interessante. Yuki que acreditava estar imaginando coisas, aceita a proposta e Deus converte seu celular em um diário capaz de prever o futuro por cerca de 90 dias. Assim, o futuro muda de acordo com as ações do dono e então, Yuki agora tem a possibilidade de tornar sua vida muito mais interessante, mudando o futuro e alterando a ordem dos acontecimentos.


É, mas só que Yuki é um personagem muito azarado e se viu indiretamente sendo trollado por Deus. Ele acabou sendo envolvido num jogo de vida ou morte, onde no final só poderá restar um sobrevivente e este, se tornará o novo Deus. Para piorar a situação, além de Yuki ser um bundão, sem habilidade, experiência ou força de vontade, ele terá que enfrentar (ãnh?) mais 12 participantes que também possuem “diários” que preveem o futuro e suas identidades mantidas em sigilo para dar aquele gás necessário pro arroto lá na frente.


Teoricamente, Mirai Nikki se sustenta sobre um jogo tático e psicológico, onde cada um dos 12 portadores de diários do futuro terão que investigar e descobrir a identidade de cada um, matando-os logo em seguida. Para isso, terão que usar mais de estratégia do que propriamente das habilidades dos diários, que são mais úteis no confronto frente a frente. Já a habilidade de cada diário varia de dono para dono. Exemplificando: Como o diário da terrorista Minene Uryu, que é o “Diário da Fuga”, que lhe fornece diversas possibilidades de fugas estratégicas. Com a identidade revelada, as chances de o jogador morrer são altíssimas, tornando a situação ainda mais interessante, já que caso tenham seus diários destruídos, o dono simplesmente desaparece.

Yuki e Yuno: A Yandere mais encantadora dos mangás

Obviamente, como todo protagonista de mangá shounen, Yuki se mostra bastante frágil inicialmente e vai evoluindo conforme a história se passa, claro que, sempre mantendo resquícios de uma personalidade “fraca”. E eu sei que o fato de Yuki ter apenas 14 anos, ser chorão, medroso, covarde, influenciável, é só mais uma forma de aproximar seu público alvo pra história, mas Sakae Esuno exagera na dose. Se você acha que o Ganta (de Deadman Wonderland) é chorão e fracote, meu amigo é porque ainda não conhece o Yuki! Ele chega a ser patético, mas acredito que boa parte do charme da história esteja ai. Foram vários os momentos que não me contive e acabei soltando gargalhadas no meio da madrugada. Fora o humor em torno dessas situações. Há ainda o fato que a história precisava desse recurso para poder dar seu giro em 180º graus e mudar o rumo dos acontecimentos em certo ponto do mangá.


E claro, com um personagem tão na merda como Yuki, precisaria de uma presença forte e badass (em outras palavras, fodona) ao seu lado. É ai que entra em cena a Yandere mais famosa que se tem conhecimento, Yuno Gasai (nesse momento, Shion Sonozaki deve estar planejando diferentes formas de me torturar). Ela é o protótipo de aluna perfeita em tudo, tira as melhores notas, é linda, desejada por muitos e vive dispensando um pretendente atrás do outro. O que ninguém sabe, é que Yuno é uma stalker como nunca se viu antes! Ela só tem olhos para Yuki e por ele, ela mata QUALQUER um que coloque a vida de seu amado em risco ou que pretenda rouba-lo dela. Já sabem né, Yanderes não perdoam concorrência e resolvem o assunto na foice. Mas será que Yuno tem mesmo boas intenções ao se aproximar de Yuki ou tudo não passa de um jogo?


O principal fio condutor e um dos grandes mistérios da história é justamente todo o enigma que envolve a vida de Yuno e sua fixação em Yuki, que é algo completamente insano e doentio. A personagem diversas vezes dá sinais de distúrbios de personalidade e alternando entre loucura e sanidade. O que rende situações sensacionais seja no que diz respeito ao enlouquecedor clima de suspense no ar ou nas suas perseguições ao pobre Yuki, que são situações simplesmente hilariantes. Desde o primeiro capitulo que Esuno já nos mostra que eles são o par romântico da história, mas coloca isso numa dualidade impar. É o típico amor bandido e Esuno leva isso até as últimas consequências, chega a ser incrivelmente doentio e ao mesmo tempo, romântico, a forma como ele vai trabalhando o desenvolvimento dessa relação que desde o inicio, parece levar somente á tragédia. Não sou louca de spoilar, mas os momentos finais são simplesmente de parar o coração, tamanha densidade e carga psicológica.

Divergindo opiniões sobre Mirai Nikki

Como toda série que goza de popularidade massiva, Mirai Nikki está longe de ser unanimidade. A série tem uma larga multiplicidade, flerta com o horror, mas o humor também é uma característica marcante da história, mesmo que seja um humor negro. E quem ai não gosta? Há situações que acontecem em meio à tragédia, que é impossível manter a compostura e não soltar um sorriso e tem como característica, explorar e ir ao extremo em determinadas situações. Não dá pra levar Mirai Nikki á sério, tratando como um produto intelectual, cheio das pseudofilosofias e com uma trama complexa (o que realmente aparenta, devido a sua premissa detetivesca e intelectual – mas ah, a história realmente é uma viagem no puro tóxico. Lembra algumas loucuras dos mangás de Junji Ito). E apesar de ter sido uma tacada de mestre do Esuno, com uma premissa extremamente interessante, em seu teor, possui uma execução simples, repleta de reviravoltas e mindfuks, mas de fácil compreensão a curtíssimo prazo.


Acha um absurdo que eu diga que não se deve levar Mirai Nikki com tanta seriedade? Há situações ali que são tão surreais, que não fazem o menor sentido nem no universo da própria história de tão descabido que é. Há uma quebra na narrativa em determinado ponto do roteiro, aonde Esuno vinha adotando uma postura mais crível, dentro do contexto proposto pra história, mas do nada ele muda a forma de execução e as coisas vão ficando completamente viajadas e isso reflete no jogo de sobrevivência. Citando um exemplo, apenas um, tem momentos que você pensa que os personagens conversam por telepatia, porque dão impressão de um saber o que o outro está pensando. Mas espera ai, não é só impressão! Eles realmente conversam por pensamentos – e não é proposital, mas dá pra pensar assim se você quiser. Que coisa louca, eu ficava pensando comigo. Mas apesar da estranheza inicial, eu não considero algo totalmente absurdo, pelo contrário, é bem curioso. Mas ai é aquela coisa, situações como essa ou outras, pode não ser da apreciação de alguns.


Em uma história fictícia, tudo é possível. Qualquer coisa que você imaginar. O leitor pode embarcar em qualquer tipo de história que lhe pareça interessante, mas é necessário haver um pacto entre autor e leitor. Um pacto de verossimilhança, onde o leitor precisa ser convencido a embarcar na história e coloca-la todinha dentro de sua mente, para que tudo aquilo faça sentido dentro do universo explorado. Suspensão de descrença não é um termo muito conhecido fora do fandom da crítica de cinema, mas é um excelente termo e que metaforicamente, já se autodescreve. O leitor deve aceitar como verdadeiras a premissa da série, mas isso não é realmente um grande problema, pois por mais fantástica ou viajada que a história seja você fez um pacto de embarcar naquela aventura. O problema começa quando a excursão muda completamente o destino da viagem, de Disneylândia, para Beto Carreiro Wolrd. Comento, pois foi algo que me chamou a atenção e me deixou meio inquieta a partir do volume 5, se bem me lembro. Mas acredito que minha suspenção de descrença seja bem elevada, pois apesar de inicialmente achar alguns rumos propostos pra história e personagens totalmente loucos, eu curti pra caralho. E olha, esse é o charme de Mirai Nikki – o que não quer dizer que vá conquistar a todos.


Deus Ex Machina: Um autêntico Voyeur


Ah sim, o Deus presente na história, ele também adora dar aquela espiadinha básica. E há alguém ai que não goste? O nome dele é Deus Ex Machina, como podem ver em qualquer sinopse mais rasa sobre o mangá. Ele é o Deus do tempo e espaço, e sim, apesar de lidar com elementos tipicamente Sci-Fi, se trata de uma trama sobrenatural. Alias, há tempos que sobrenatural e Sci-Fi, flertam romanticamente, mas vamos falar do que realmente interessa. Deus criou o Jogo do Diário para encontrar um sucessor digno de assumir o seu lugar no trono. Ele tem como serva/assistente, a pequeno demônio, Muru Muru, uma graça de personagem, rs.



Ele vive na catedral da casualidade, um espaço que existe na imaginação humana e é nesse local onde Deus Ex Machina reside e onde todos os donos de diários podem encontra-lo. E quando bem entenderem, somente com um pensamento.


Fanservice e “mamilos”

Fanservice e Mirai Nikki não combinam muito bem. Quer dizer, você não vai encontrar calcinhas super detalhadinhas e com lacinhos ou peitinhos e peitões com seus bicos marotamente salientes, pra lhe causar aqueeeeeeeeele tesão. Entende? Também não tem gore, mesmo com muitas mortes, cabeças rolando pelo ar e decapitações de membros. Vê se pode!? Ai eu choro, rs (só brincando). Esuno não quis apelar para esses artifícios, mesmo que Mirai Nikki disponha de toda a infraestrutura necessária e quer saber realmente? Ficou simplesmente sensacional assim, não apelando pro fanservice, tornando o mangá altamente palatável pra todos os públicos (do fandom de anime e mangá, porque né!? Convenhamos, ele vai ser adaptado pra anime e não será algo pra se assistir com a mãe do lado). Como eu disse, é um shounen que se dispõe de todos os recursos de violência, mas que não se dá de forma completamente gratuita. Das cabeças que rolam, ao corpo exposto de Yuno, tudo se faz perfeitamente plausível dentro do contexto. E Esuno nem se preocupe desenhar detalhadamente essa parte, tamanho o desprendimento dele com isso e olha que garotas cheias de curvas são o que não faltam em Mirai Nikki.


Spin-off: Histórias extras

Ao fim de cada volume, sempre tem um omake ou algum extra. Os com a Muru Muru são bem bobinhos, apesar de divertidos e explica insanamente como cada um dos personagens random viraram donos de diários. Mas há dois spin-off da história original, com dois personagens de Mirai Nikki: A terrorista e assassina que todos amamos, Minene Uryu. E Aru Akise, o mistérioso e inteligente “detetive” da história, diria que é a versão Mello (personagem de Death Note) de Mirai Nikki. Foram dois volumes, para cada um destes personagens e recheados de spoilers, quem por ventura, le-los antes da história principal, tem tudo pra se arrepender eternamente.


  • Mirai Nikki: Mosaic (Side Story)


-Conta alguns detalhes não revelados na história principal, como a origem de Minene e alguns fatos que supostamente, não fazem o menor sentido, mas que somadas aos acontecimentos de Mosaic, realmente forma um mosaico. Hihihi, esse é um mangá divertido e com sua personagem preferida (ou não).


  • Mirai Nikki: Paradox (Alternate Story)


- Essa é uma história alternativa e obviamente, não possui ligação com a do mangá principal. Segue de perto os passos de Aku Akise e Muru Muru. Me pergunto se existem alguém que goste do Akise. Particularmente, não curto ele e pelos mesmos motivos que não ia com a cara do Mello, muito prepotente.

Aspectos técnicos

Tecnicamente, Mirai Nikki é excelente, mas sinceramente, sou suspeita pra falar tal coisa. O mangá foi concebido, roteirizado e desenhado por Sakae Esuno, que começou a trabalhar em Mirai Nikki logo após terminar seu primeiro mangá, o misterioso Hanako to Guuwa no Tera, uma história que também envolve detetives, lado sobrenatural e um flerte com o horror. Mirai Nikki, é um mangá shounen, publicado de 2006 a 2010 na revista Shonen Ace, da Kadokawa Shoten. Foi encerrado com 12 volumes, contando ardilosamente uma história frenética de inicio, meio e fim. Com isso, eu não estou querendo dizer o obvio, mas que diferente do que acontece muito, não há aquela barriguinha na história, tudo parece ter sido bem pensado para um enredo de 12 volumes, tal qual é o numero de donos de diários. E isso é muito bacana, acima de tudo, um respeito da editora com o autor e seu publico, quantas histórias são estragas por serem espichadas além do que deveriam!? Né mesmo?


O traço de Esuno é outro detalhe bem interessante. Tem algo que lembra doujinshi, com um traçado bem vacilante e desleixado, mas que ao mesmo tempo, se mostra consistente na ideia proposta. Não é daqueles traços bishounens, redondinhos e perfeitos, mas é belíssimo e dá um charme diferente pra história narrada, com bastante destaque para as feições dos personagens, que passam um sentimento verdadeiro para o leitor. E como Esuno abusa bastante do lado psicológico, tanto em Mirai Nikki, como em sua série anterior, é um traço que dá toda a propriedade ao autor, de explorar todas as nuances dos personagens.


E por falar em personagens, são em sua maioria, carismáticos e com uma função na trama, além de apenas dar suporte/servir de escadas. De longe, Yuno é a melhor personagem da série, mas Yuki também mesmo que não venha a agradar, possui um background incrível para um personagem do gênero, pois sua condição de personagem fraco, não é somente para servir de casca para otaku, mas tudo vai de encontro com a necessidade da história. A loucura da Yuno, nunca teria o efeito que teve se Yuki, por exemplo, tivesse uma personalidade mais agressiva e determinada. E no fim das contas, tudo se justifica, MESMO! Como disse, aparenta ser uma história pensada em todos os seus detalhes e não creio que seja sorte, já que Esuno já havia acertado anteriormente.


E isso vale para os outros personagens e situações. Os quadros são posicionados de forma bem dinâmica nas páginas, não há poluição visual e o cenário é bem simples, mas não deixa a desejar. Aliás, nem é isso, é que realmente você não presta muito atenção além das expressões dos personagens e dos diálogos. Os recortes no tempo linear da historia são incríveis, realmente Esuno nos faz ter a impressão de estarmos assistindo á um vibrante thriller de ação e muito suspense. E isso é um dos segredos da história ter se tornando tão dinâmica e objetiva. Se em um capitulo você tem ação, pancadaria, perseguição, tiros, tudo de forma desenfreada e alucinante, no outro você vê o desenvolvimento da história que culminou naquele momento. Ou seja, mesmo que você não entenda inicialmente como aquilo aconteceu, o porquê de tal atitude de determinado personagem, pode esperar que cedo ou tarde, a história tratará de voltar naquele ponto.

Comentários gerais

Mirai Nikki é um mangá incrível, e como todo thriller, tem uma singularidade impressionante para o leitor, onde com seu suspense intricado, consegue te levar da excitação á emotividade. A princípio, ao se deparar com uma obra de 12 volumes, você não imagina ser capaz de ler tudo em tão pouco tempo, mas o roteiro de Esuno prende e impressiona, a forma como ele consegue te levar a catarse – a risada, surpresa, o susto – é sem dúvidas a formula que tornou Mirai Nikki um mangá tão querido por tanta gente.


Claro que, a linha que ele escolheu seguir é a mais segura, afinal, quem não curte um bom thriller? Em um bom thriller, o herói sempre está em perigo, à trama não para – e é assim que segue do inicio ao fim, Yuki e Yuno mal conseguem tempo para respirar. Tem a pegada da criminalidade, proporcionando muita ação e o fator surpresa/mistério, vindas do gênero de detetive. E isso tudo com o perigo eminente e a pressão do terror – thrillers podem ser sensacionais, se bem explorados em todo seu contexto. E eu assisto e leio bastantes coisas do gênero e digo, nem tudo me impressiona mais hoje em dia. Então, dou profundo valor às obras que conseguem mexer com minha mente, estômago e coração (LOL). Afinal, não é sempre que me é apresentado um Higurashi, um Umineko ou um Elfen Lied da vida – Só um exemplo prático.


Mirai Nikki é altamente recomendado. Você vai rir e se entreter, tentar montar estratégia e ser mais esperto que todos e ao fim, é possível que até se emocione. Particularmente, considero o final da série excelente. Se eu visse o Esuno, daria um beijo nele depois me fazer maratonar 12 volumes em tão pouquíssimo tempo (nem lembro ao certo, mas devem ter sido uns quatro dias de leitura, com pausa pra cafezinho e outros afazeres). Eu vejo Mirai Nikki como sendo a cara da Panini e realmente acredito ser questão de tempo até que ele pinte por aqui. Mas não custa nada vocês que também gostaram, mandar um e-mail pra editora, pedindo o mangá, certo!? Fico por aqui, bye bye! 

Extra: Entrevista com Sakae Esuno

Essa é uma entrevista bem bacana que Sakae Esuno deu ao site francês Mangá News, na feira Japan Expo em 2009, no lançamento de Mirai Nikki, entre outros grandes sucessos. Já imaginou termos algo assim um dia? Há! Bem, agradecimentos ao Mangá News pela entrevista e ao querido Bruno pela tradução.



Você consegue resumir sua formação?
Pensei em me tornar um mangaka a partir da terceira série. Durante este período eu comecei a fazer trabalhos para concursos, foi em vão ... Mas eu continuava a perseverar neste caminho para a universidade através da participação em competições de várias revistas, mas sem sucesso. Então, eu entrei em uma escola de mangá em que eu fiquei dois anos antes de trabalhar como assistente para um mangaka. Finalmente, através do trabalho duro, eu enfim consegui o prêmio em um concurso organizado pela Kadokawa Shoten. Foi lá que eu me tornei um mangaka completo!

Com quais mangás você cresceu? Alguns deles te influenciaram?
Desde a minha infância, provavelmente vários mangás me influenciaram. Mas eu tive uma maior influência pelos trabalhos de Rumiko Takahashi, em particular, Ningyo no Mori (Mais conhecido no na América como Mermaid Forest).

Antes de Mirai Nikki, sua primeira série foi Hanako To Guwa no Terror. Você pode falar um pouco sobre ele?
De fato este foi o meu primeiro mangá profissional, com quem ganhei um prêmio na revista Shonen Ace. É uma série escrita entre 2003 e 2005, que mistura mistério e horror.


Mais precisamente, o horror, parece ser um tema que você leva muito a sério. Por qual processo você obtém esse sentimento do seu leitor?
Eu confio muito nas expressões faciais dos meus personagens. Boca aberta, arquear as sobrancelhas e gotas de suor são todos os elementos que me permitem expressar o espanto e terror dos protagonistas. Para alcançar os leitores mais ainda, eu também tento uma cadeia de efeitos surpresa, além de criar um herói que possa ser facilmente inidentificável.

Como foi que teve a ideia de criar Mirai Nikki?

Eu queria, sobretudo, criar um mangá emocionante, com um herói incomum e interessante, que poderia facilmente ser identificado por alguém que se depara com um grande problema que terá que ser superado. O personagem de Yukiteru então veio até mim e à ideia de telefones móveis, onde você poderia ver o futuro. A partir daí, eu desenvolvi a minha história.

Com a retomada do tema “jogo de sobrevivência”, Mirai Nikki muitas vezes é comparado a Battle Royale. O que você acha?
(Sakae Esuno reletiu por um segundo) É verdade que muitas vezes eu ouço as pessoas compararem o meu mangá, com Battle Royale. Mas confesso que nunca li ou vi Battle Royale, então eu realmente não tenho uma opinião sobre a questão. Eu ainda irei matar essa curiosidade (risos)!

Em Mirai Nikki, nenhum personagem é completamente sã. Os seguintes volumes vão continuar a usar esse recurso?
Ao invés de dizer que não são saudáveis​​, eu diria que todos os personagens têm uma forte característica. E realmente tenho a intenção de continuar a usar isso porque eu atribuo grande importância do meu trabalho aos meus personagens. Além disso, alguns acontecimentos do próximo volume deverão surpreendê-lo.

Você vai desenvolver certos aspectos do passado deles?
Sim, é claro, porque alguns elementos do passado moldaram quem eles são hoje. Yuno é o caso, por exemplo.

Falando de Yuno Gasai. Este personagem é muito interessante. Ela está pronto a sacrificar tudo por um amor que sente pelo herói. É esta a sua visão do amor?
Eu acho que se eu encontrasse uma garota assim na realidade, teria medo! (Risos) Não se esqueça que Nikki Mirai é principalmente uma obra de ficção. Mas é verdade que eu realmente aprecio esse tipo de personagem.

Outros dois conceitos importantes emergem de Mirai Nikki: sobre escolha e destino. Você discutiu essas questões de forma voluntária e com algum propósito específico?
De fato, o tema da escolha é muito importante no meu título! Inexoravelmente, a escolha dos personagens afetam seu destino. Por exemplo, várias vezes, Yukiteru não sabe escolher se deve ou não confiar em Yuno, e tudo afeta as informações nos seus celulares. Mas ele tem que refletir e pensar em uma solução. Aqui, a menor decisão, muda tudo, seja bom ou ruim. Tudo é sobre uma questão de coragem.


Mirai Nikki é serializado em uma revista shounen (Shonen Ace, da Kadokawa). Você se sente obrigado a se conter nas cenas mais violentas?
Embora Mirai Nikki as vezes seja  uma obra bastante violenta, essa nunca foi a minha intenção, de mostrar a violência tão crua. Claro, eu ainda devo ter cuidado em alguns momentos, mas nunca foi realmente um problema.


Quando se trabalha para este tipo de revista, há regras estritas a seguir?
É claro, há sempre um mínimo de regras a seguir. Mas com certeza, o meu editor não me intimidou. (risos)

Você já planejou como será o final de Mirai Nikki?
Eu tenho algumas ideias para o final. Mas até o fim, tudo pode mudar de um lado ou do outro.




21 comentários :

Suzi disse...

E ficou grande o seu post O___o". Eu vou ter que pedir desculpa por não ter lido tudo...e voltarei com uma informação de uma leiga (eu)..Até daqui a pouco (estou no PC e comendo u.ú)

Suzi disse...

Certo, eu não li o mangá...Mas, falei do Deus Ex-Machina em um trabalho da faculdade. (Então, a informação ainda está fresca na minha cabeça).O Deus ex machina ou "Deus máquina", provém do teatro grego e romano, onde se fazia um ator representar um deus vindo do céu para resolver as dificuldades de proporções maiores. O ator era suspenso por uma espécie de guindaste (daí a "máquina"). O deus ex machina também é conhecido como "o deus das brechas". Dá aquela ideia de que quando há um problema, deus é invocado para resolvê-lo. Não sei se tem a ver com a história. Tem alguma relação?

Roberta Caroline disse...

Sim, Suzi, certamente. Mas eles nem entram nesse detalhe não, mas pra quem conhece a origem, consegue identifica-la rapidinho =)

Accelerator disse...

Mirai Nikki né , faz tempo que não vejo ninguém falar desse manga , o anime vem na proxima temporada e tomara que o estudio não faça merda

Lendo o seu post percbi como eu sou desatento , eu nunca reparei até agora que os personagens conversam pelos pensamentos -_- eu pensei que era um brincadeira que vc estava fazendo com o leitor, mas já q aqui não é um blog de humor descarteiessa teoria .
Não tenho mais nada pra comentar , eu concordo com tudo que vc disse sobre esse otimo manga , é relmente algo incrivel , eu fiquei uma semana pra chegar no ultimo vol .

Obs:Vc escreveu Elen Lied, em vez de Elfen Lied só queria te avisar do erro o/

Anônimo disse...

roberta e a mania dela de colocar as imagens mais eichs da series(obs,sou eu junior)

Roberta Caroline disse...

@Accelerator

Pois é, realmente acontece esse lance ai dos pensamentos. LOL demais huehuehuehue. Valeu pela correção \°

@Junior
Hahaha faz parte, gosto de expor o que as pessoas irão encontrar pela frente :D

Moranguinha disse...

Já se tornou marca registrada do blog ter sempre alguma imagem ecchi ou gore kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Eu acho legal e vou deixar pra ler o mangá depois do anime Roberta. Depois de ler seu post, fiquei ainda com mais vontade.

Augusto disse...

òtimo post e com a entrevista, ficou melhor ainda. Mirai Nikki me espanta até hoje com aqueles olhares loucos de psicopata. Yuno será minha eterna queridinha, aquele final foi surpreendente. E bem lembrando essa parada ai dos personagens que parecem conversar por pensamentos, na época, eu fiquei me perguntando se eles tinham algum tipo de telepatia ou não kkkkk

Sakura disse...

Roberta, faz review de Hanako To Guwa no Terror, é muito massa.

Power Otaku ^_^x disse...

Olha ai o belo artigo da Beta Blood sobre Mirai Nikki. O mangá da personagem que ela se espelha, a Yandere Yuno XD

LaLa-chan disse...

Mirai é uma mistureba gostosa de Death Note com Higurashi no naku koro ni, tem raão de você ter gostado tanto roberta. Leitura super recomendada ai.
Não sabia que o autor era fã da Rumiko Takahashi, adoro ela. Mermaid Forest é epic.

Kyohei disse...

Tá ai um anime que com certeza irei acompanhar :)

Ricardo disse...

PQP no Yuki, muito covarde. Achei que ele não teria mais salvação, mas vibrei nos volumes finais quando ele finalmente acorda e amadurece. Isso eu acho bem legal, pois mostra que o personagem teve um desenvolvimento de caracter e que Sakae Esuno tinha tudo bem bolado. Não sei se o anime vai ser bom ou ruim, mas quero ver aquela cena da perseguição de carros, vai ser foda.

Yuki e Yuno são como Yin e Yang, que não pode existir sem o outro, enquanto Yuno é Yin, é o lado escuro e feminino, o Yuki é Yang, o lado da luz e masculino. Eu vi esse comentário na net e surtei com isso, como não tinha sacado isso antes?

Denuncio disse...

Meu que post exelente.... mirai niki já era um dos animes que pretendia acompanhar vendo isso entao fez o manga entrar na lista de leitura....

douglas sb disse...

"eu não sou nada alem de um inutil"
kkkkk eu falo essa frase o tempo todo numca tinha visto em um manga

valkiriapura33 disse...

Nem acredito um post de Mirai Nikki, realmente desde o início acompanho e os coments sobre a comparação com Death Note que li em vários lugares( não vejo muita comparação afinal são coisas diferentes, tem o clima de tensão mas não é no mesmo tom).
Vi não OVA mas uma prévia de OVA( uma amostra) quando passou e as priminas impressões no anime parecem boas, muito boas, a o Yuki vai ter que trabalhar bem a cabeça ( e muito) e a Yuno , nossa, sério sou totalmente louca por ela( sim isso foi um adjetivo bem proposital!!!XD)
Confrontos realmente é seria entre as aspas, alguns embates são mesmo dignos de luta, mas outros é mais manipulação que outra coisa( e o pobre Yuki fica cada vez mais perdido em todos os sentidos).
Isso é verdade o final é tenso, quando vc acha que acabo ali não tem outra reviravolta ainda mais supreendente( algumas poderiam ter sido melhores mas...).
Sim esses momentos que dão um nó na cabeça são ao mesmo tempo fodas mas um tanto confusos, mas o que vc disse não levar tão a sério é essencial.
Isso é verdade Yuki e Yuno se complemetam de maneira adequada( no mínimo), a fraca personalidade deste se sobrepõe a de Yuno que insadecidamente determinada( e vc não adora isso? Sério quando um machado aparece em cena ele vira arte nas mãos de Yuno)
A nem diga a ansiedade de ler cada capítulo era tamanha, acompanhei fielmente sempre , tanto que até me lembro quando anunciaram que iria virar anime, nossa sonho realizado(\o/), pouco depois o mangá deu uma pequena pausa, isso não era no final, mas era ao que diria no meio mais para o final, mas nem tão final assim, pq como vc disse o mangá tem dessas de um thriller linear( nem vou falar das implicações disso com as explicações temporais do final, sério isso confundiu a minha cabeça um pouco, precisei ler duas vez).

A quem me dera a Panini( ou qualquer editora publicasse este título), mas vejo mais como algo que a JBC publicaria, já até mandei um pedido, mas...........( estou no limbo com o meu pedido dos mangás de Pandora Heart( o mangá é troçentas vezes mais complexo que o anime, sério ainda mais no momento atual), Mirai Nikki e Break Blade), sei que são muitos títulos a serem publicados, mas se as editoras escutassem ao menos metade do que nós otakus dizemos, hum garanto que teriam pelo menos 1/3 de seus problemas atuais( que são muitos!!!!).
Gostei da parte da sanidade, afinal dizer o que é isso assim de forma simples não é fácil é muitos personagens ficam menos instáveis com o decorrer da história para poderem sobreviver, legal ver na entrevista que ele já tinha um idéia do final, que hoje já vi qual é , interessante que ele já tinha toda a história estruturada, afinal nem todo(a) mangaka é assim.
Muito ansiosa por essa adaptação d eanime, sério , espero que faça justiça( mesmo com o mangá já finalizado não é toda adaptação que fica no tom certo, e isso não é implicação de xiíta purista, mas de simples bom senso), e essa adaptação demorou acho que quase um ano, desde o anúncio e as diversas adiações, sério, para só mostrarem uma prévia do que ia ser o OVA e agora finalmente vir a ser exibido semanalmente, nossa muitos sentimentos intensos aí XD.
Bom ver que o mangá tem mais uma fã leal! Grande post!

Rosenball disse...

É dificil encontrar alguma originalidade em shonens hoje em dia e Mirai Nikki tem muito disso, um conceito primoroso. EU, euuuu, acho Mirai Nikki bem superior a Death Note, que no fim das contas, ficou preso a velhos valores e Mirai Nikki nos mostrou um final que eu não acreditava que fosse possivel. E é verdade que não deve se levar muito a sério, tem coisas ali que são viajadas demais.

Anônimo disse...

muito bom vou acompanhar^-^

Natália Fontanna disse...

Eu comecei a ler ontem e ainda não tenho base pra falar, mas não me parece muito com Death Note. É mais uma mistura de Anne Freaks e Liar Game, que eu também conheci graças a comentários da Roberta. Só vim pra dizer isso mesmo

Lisbela disse...

A Yuno é puro awsome e caguei nas calças com aquele final, eu achava que as coisas ficariam muito, muito trágicas e meu coração já estava saindo pela boca, com pena dela. Mas a Yuno e Minene foram as únicas que realmente achei bem legal de personagens. O Yuki é chato e só sabe correr pro lado da Yuno quando está correndo perigo, lol

Ramon Thales disse...

comecei a ler o manga depois que vi as grandes expectativas que todos falavam da adaptação para anime do manga.
concerteza não me decepcionei por ter pego para ler, assim como muitos falavam, e um manga envolvente e que te prende durante muito tempo. li todo manga em um dia. A Yuno e uma das personagens mais interessantes de um manga que conseguiram fazer, pois apesar de alguns momentos vc ter a certeza do que ela irá fazer, em outras vc não faz ideia se realmente ela é o que aparenta ser.
manga extremamente indicado a todos. na espera para ver so anime faz jus ao manga.

Postar um comentário

Os comentários deste blog são moderados, então pode demorar alguns minutos até serem aprovados. Deixe seu comentário, ele é um importante feedback.